Diáspora e Identidade – Origens

Em 2023 o site Japanologia promove uma nova série de minicursos intitulada Diáspora e Identidade, se debruçando majoritariamente sobre a experiência migratória japonesa e nikkei (descendentes de japoneses/as nascidos/as fora do Japão). Serão 4 minicursos no total, independentes um do outro, mas amarrados pela discussão sobre diáspora e identidade. Neste primeiro minicurso da série, “Diáspora e Identidade – Origens“, serão abordadas as teorias que se baseiam na noção de Diáspora num sentido mais abrangente, além de iniciar as discussões em torno da “Diáspora Japonesa”, considerando aqui suas origens, motivações e efeitos.

08/02 e 15/02, quartas-feiras, das 20h às 22h

Sobre a série

Em 2023 o site Japanologia promove uma nova série de minicursos intitulada Diáspora e Identidade, se debruçando majoritariamente sobre a experiência migratória japonesa e nikkei. Estima-se atualmente que há mais de três milhões de nikkei ao redor do mundo, e no Brasil ultrapassam mais de um milhão e meio de pessoas.

Qual o problema em dizer Diáspora?

O termo Diáspora tem sido usado largamente para tratar dos deslocamentos num contexto globalizado. O conceito, porém, não é isento de problemas e carece de contexto e detalhamento. Ele está sendo usado da forma correta? Ele representa qual grupo de pessoas em deslocamento?

A “Diáspora Japonesa” compreende fluxos diversos observados durante os Períodos Meiji (1868-1912), Taisho (1912-1926) e início do Período Showa (1926-1989) e obviamente não atende ou remete às características da “Diáspora Nikkei” contemporânea. Com o arcabouço teórico da Etnicidade podemos dizer que esses deslocamentos (e seus desdobramentos) são plurais, apontando para uma diversidade de experiências heterogêneas.

O que Diáspora tem a ver com Identidade?

O estudo das experiências observadas e amplamente documentadas da “Diáspora Japonesa” e “Diáspora Nikkei” tem sido útil para a compreensão mais abrangente de como os/as japoneses/as e seus/suas descendentes pensam identidade étnica e como isso se imbrica nas relações e experiências na sociedade. Consequentemente, a análise aprofundada desses movimentos nos permite compreender as produções de estereótipos e preconceitos vinculados aos/às japoneses/as e seus/suas descendentes fora do Japão.

Estudar as Diásporas Japonesa e Nikkei são portas para compreender não só suas realizações, mas também seus confrontos. Pelo estudo desses deslocamentos poderemos compreender melhor movimentos como o Perigo Amarelo e a construção de preconceitos contra as pessoas amarelas, em especial as descendentes de imigrantes oriundos/as do arquipélago japonês.

Neste primeiro minicurso da série serão abordadas as teorias que se baseiam na noção de Diáspora num sentido mais abrangente, além de iniciar as discussões em torno da “Diáspora Japonesa”, considerando aqui suas origens, motivações e efeitos.

| Aula 1 – Introdução às noções e aos usos da Diáspora enquanto categoria explicativa
| Aula 2 – Diáspora Japonesa, origens e motivações

Quando: 08/02 e 15/02, quartas-feiras, das 20h às 22h

Onde: Plataforma Zoom (curso on-line; dinâmica ao vivo e aulas gravadas)

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

As aulas também ficarão disponíveis off-line para que os alunos inscritos possam acessar o conteúdo posteriormente, além de material complementar.

DURAÇÃO E FORMATO

2 aulas de 2 horas cada (com intervalo e momento de discussão), ministradas ao vivo no aplicativo Zoom.

PARA QUEM ESTE CURSO É VOLTADO

Este curso é voltado a todos os interessados nas temáticas referentes ao Japão e cultura japonesa, independentemente da sua escolaridade. Como característica dos Estudos Japoneses, este curso recorre a leituras de várias áreas do conhecimento, podendo ser interessante para todos aqueles que se interessem em Ciências Humanas, em especial Antropologia Social, História, Psicologia e Sociologia.

Facilitador

Prof. Dr. Victor Hugo Kebbe – Doutor em Antropologia Social pela UFSCar; ex-fellow de Japanese Studies/Intellectual Exchange da Japan Foundation (Tokyo, Japão); atuou como pesquisador associado da Faculdade de Educação da Shizuoka University (Shizuoka, Japão), como pesquisador associado do Nanzan Anthropological Institute e do Nanzan Institute for Religion and Culture (Nagoya, Japão); Pós- Doutor pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, UFSCar e Nanzan University. Editor do japanologia.com.