Ilhas de Protesto – Literatura Okinawana

Neste curso inédito do site Japanologia nos debruçaremos sobre a produção literária okinawana, com o objetivo de observar a maneira como os okinawanos enxergam, através da literatura e da ficção, a sua própria história e sua cultura. Como pontos focais da discussão, teremos a análise de poemas e contos okinawanos de Toma Hiroko, Medoruma Shun, Sakiyama Tami e uma peça de teatro de Chinen Seishin. As análises serão atravessadas por várias perspectivas dos Estudos Ryukyuanos (Ryukyugaku), em especial da Antropologia Social.

18/01, 25/01, 01/02 e 08/02, terças, das 20h às 22h

SOBRE O CURSO

De pedra fundamental da Ásia a território ocupado por japoneses e norte-americanos, temos apenas algumas das marcas impressas na história de Okinawa, antigo Reino de Ryukyu. Sendo um dos últimos ramos da Rota da Seda na Ásia, Ryukyu desenvolveu uma cultura única, fruto de intensas relações com os países vizinhos e efeito de um impressionante hibridismo cultural. Tais aspectos foram notadamente gravados na literatura okinawana, esta pouco estudada e que pode contribuir imensamente com os Estudos Ryukyuanos (Ryukyugaku).

Neste curso inédito do site Japanologia nos debruçaremos sobre a produção literária okinawana, com o objetivo de observar a maneira como os okinawanos enxergam, através da literatura e da ficção, a sua própria história e sua cultura. Como pontos focais da discussão, teremos a análise de poemas e contos okinawanos de Toma Hiroko, Medoruma Shun, Sakiyama Tami e uma peça de teatro de Chinen Seishin. As análises serão atravessadas por várias perspectivas dos Estudos Ryukyuanos (Ryukyugaku), em especial da Antropologia Social.

Este curso foi pedido especialmente pelos participantes das edições passadas da série Leituras Avançadas Okinawa, que em 2022 fará três anos de idade! O sucesso desta série de cursos se vê patente pela participação de descendentes, pesquisadores e demais interessados de todas as partes do Brasil e do Japão.

Quando: 18/01, 25/01, 01/02 e 08/02, terças, das 20h às 22h na Plataforma Zoom..

Inscrições: para informações e valores enviar e-mail para acenbsc@gmail.com. Pagamentos via TED e PIX.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

As aulas também ficarão disponíveis off-line para que os alunos inscritos possam acessar o conteúdo posteriormente. Caso seja necessário rearranjar os horários das aulas, isso poderá ser feito de acordo com as necessidades dos participantes.

Não é preciso ter feito os outros cursos livres do site Japanologia para acompanhar este curso.

DURAÇÃO E FORMATO

4 aulas de 2 horas cada (com intervalo e momento de discussão), ministradas ao vivo no aplicativo Zoom.

PARA QUEM ESTE CURSO É VOLTADO?

Os cursos do site Japanologia são abertos a todos os membros da comunidade, independentemente da sua escolaridade. Assim como característica dos Estudos Japoneses e Estudos Ryukyuanos, este curso recorre a leituras de várias áreas do conhecimento, sendo útil para todos aqueles que se interessem em Ciências Humanas, em especial Antropologia Social, História, Psicologia e Sociologia. Em tempos de pandemia, este curso será ministrado on-line.

Facilitador

Prof. Dr. Victor Hugo Kebbe – Doutor em Antropologia Social pela UFSCar; ex-fellow de Japanese Studies/Intellectual Exchange da Japan Foundation (Tokyo, Japão); atuou como pesquisador associado da Faculdade de Educação da Shizuoka University (Shizuoka, Japão), como pesquisador associado do Nanzan Anthropological Institute e do Nanzan Institute for Religion and Culture (Nagoya, Japão); Pós- Doutor pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, UFSCar e Nanzan University. Editor do japanologia.com.

CURSOS ACENB E JAPANOLOGIA

Esta parceria entre a Biblioteca Temática da ACENB São Carlos e o Japanologia completará cinco anos em 2022, levando a todos os interessados várias discussões envolvendo a cultura japonesa sob diferentes perspectivas. Os cursos têm sido ministrados ininterruptamente ao longo destes anos, contribuindo para o entendimento da cultura e sociedade japonesa.

Depoimentos

Os cursos são muito ricos pra quem tem interesse em entender melhor a cultura japonesa em seus aspectos históricos, artísticos, culturais, filosóficos e religiosos. Além disso, sempre há indicações de materiais (livros, filmes, etc.) para aprofundamento. – Mayara

Aprendi muito sobre a cultura do Japão, principalmente dos nossos ancestrais. Tive a oportunidade de conhecer sobre os hábitos, a arte, a estética, a filosofia, a religião… Outro ponto positivo do curso é que o Prof. Victor Hugo sempre nos dá boas dicas sobre livros, filmes, lugares a conhecer… Portanto, gostaria de continuar, pois sinto-me motivada a pesquisar e a questionar cada vez mais sobre minhas origens. – Tereza

O que os cursos que o professor Victor Hugo Kebbe ministra na ACENB São Carlos têm de mais singulares são o total alcance nos mais diversos públicos que participam de suas aulas através de uma didática clara e o uso muito apropriado das referências culturais (livros, filmes, animes, mangás) e pessoais através de suas experiências in loco no Japão. Não há aqui o ranço acadêmico que tanto assusta leigos e nem tão pouco a superficialidade que afasta os mais familiarizados com o assunto. Para os jovens ocorre a descoberta, para os adultos a redescoberta de signos e significados que fazem ou fizeram parte de suas vivências, mas não tinham sido explorados ao ponto de serem identificados e apreciados. Ao final todos descobrem um outro eu pelo olhar cultural, histórico e social do Japão. – Renato

Os cursos de cultura japonesa abordam diversos temas que estão diretamente relacionados à minha construção como indivíduo. Assuntos como identidade dos nipo-brasileiros, preconceito racial e história e cultura dos imigrantes japoneses e do Japão são constantemente discutidos durante as aulas. O embasamento teórico bem fundamentado do professor faz com que as aulas sejam extremamente interessantes e compatíveis com a minha própria história, gera diversos momentos de autorreflexão e tem sido relevante também para pensar na minha trajetória acadêmica. Recomendo o curso para toda comunidade nikkei, que muito faz para a manutenção e disseminação da cultura japonesa, mas que não discute com tanta frequência o que é ser um nikkei no Brasil e os preconceitos que nós mesmos reforçamos ou que não tem muita proximidade com o que a comunidade científica vem estudando em relação a nós. Também é uma boa oportunidade para quem tem interesse em compreender melhor a cultura japonesa de uma perspectiva diferente do que geralmente o senso comum e a mídia traz sobre o que o Japão, ser japonês, nipo-brasileiro ou algum aspecto relacionado a esse tema. – Eri