Geisha, geiko, oiran e tayū

Essa é uma discussão antiga, lá de 2012, sobre uma possível definição de geisha, um termo que me perguntam eventualmente. Existe uma confusão bastante corriqueira entre os termos geiko, geisha, oiran e tayū, noções bastante diferentes que afetam parte da nossa percepção sobre esse lado nipônico.

Existem geisha (芸者)/geiko (芸子) e cortesãs (花魁, em alguns livros chamadas de Oiran), algo que até hoje é bastante confundido no senso comum. Os tipos de cortesãs mudaram ao longo dos anos e estão atreladas à chegada do Período Edo (1603-1868) e à instauração dos distritos de Shimabara (Kyoto), Yoshiwara (Tokyo) e Shinmachi (Osaka), sendo o nível hierárquico de cortesã mais alto o de Tayū. Nessa época, com a criação da lei de controle/delimitação de áreas de entretenimento, acabou surgindo novos nichos de atuação, sendo rapidamente ocupados pelas cortesãs. Os tipos e níveis hierárquicos das cortesãs variam conforme o treinamento e serviços oferecidos, inclusive, com cortesãs voltadas para os prazeres sexuais (aham, não são todas voltadas para isso, outro motivo de grande confusão e criação de preconceito).

Higashiyama, Kyoto

Por conta do surgimento de novas artistas do entretenimento, as geiko foram facilmente confundidas com cortesãs e até mesmo prostitutas, o que criou uma grande mancha negativa em sua imagem. O preconceito durou por anos, até que são comuns as histórias trágicas dos pais que não querem que a filha se torne geiko e tudo mais. Tudo isso virou motivo de fascínio nos Estados Unidos e Europa, com vários livros e romances dedicados ao assunto, alguns que infelizmente são preconceituosos e empobrecem o entendimento da cultura japonesa.

Vale lembrar rapidamente que geiko/geisha ou “Filha das Artes”/“Praticante das Artes” é aquela mulher treinada não só na melhor etiqueta japonesa, como também em várias formas de artes e rituais, desde a Cerimônia do Chá até a prática de números artísticos, musicais, etc. Para tanto, se dedicam por anos a fio em um treino bastante rigoroso, árduo e extremamente caro.

Higashiyama, Kyoto - por P. Akiti

Com a independência feminina no Japão da década de 50 e 60 o número de geiko diminuiu drasticamente, contudo, temos notado que o interesse para se tornar geiko retornou com força nas últimas décadas. Livrando-se da imagem negativa consolidada nas décadas anteriores, as atuais geiko recuperam o prestígio de tempos passados. Já as Tayū, uma cortesã treinada e de alto nível, cumpre um papel em declínio, restando pouquíssimas no Japão.

Caminhar em Kyoto, em especial lá em Pontocho e Gion e em horários especiais, é tropeçar entre maikos (aprendizes de geiko/geisha) e também entre maiko de mentira ou fake, o que deixa a população local muito chateada.

Como já ouvi por lá, para aquecer o turismo as agências contratam jovens dispostas a se vestirem como maiko para aparecer nas fotos dos inúmeros estrangeiros que aparecem na cidade. Li uma vez a irritação de um mestre sobre o assunto, pois a prática desconsidera os vários anos de prática e estudos que são requisitos para a formação de uma geiko.

Victor Hugo Kebbe

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s